Choque de Notícia Falsa – um caso de persistência do ruído no apreçamento de ativos

O presente trabalho busca analisar se um choque de notícia falsa que afetou os preços das ações da construtora europeia Vinci S.A., em novembro de 2016, teve algum componente de persistência na dissipação. Para tal, são construídos três modelos contrafactuais para traçar as trajetórias alternativas de preço que as ações da Vinci teriam percorrido na ausência do choque.
A premissa básica do presente estudo é que os preços das ações são compostos por fundamento e por ruído (noise), sendo um choque de notícia falsa uma espécie de “fenômeno natural” em finanças, que torna possível separar o ruído dos fundamentos que definem o preço. Quando a informação falsa é absorvida como verdadeira, todos os agentes se tornam propagadores de ruído, ao passo que quando o ruído é revelado, o mercado deveria voltar a operar apenas com base nos fundamentos.
Os resultados aqui encontrados apontam para uma rigidez temporária na trajetória de retorno do preço das ações ao seu preço fundamental após o choque, o que contraria a hipótese da incorporação imediata da informação ao preço proposta por algumas teorias de mercados eficientes. Os modelos aqui propostos mostraram-se bem especificados e as suas conclusões se corroboraram, conferindo robustez ao resultado.

Jacqueline Lacerda Brito.

03/07/2017

Orientador: Ruy Monteiro Ribeiro.

Banca: Marcelo Cunha Medeiros. Axel André Simonsen.

Choque de Notícia Falsa – um caso de persistência do ruído no apreçamento de ativos

Nível: Mestrado Profissional